UFMS terá novos cursos superiores a partir de 2019

O Conselho Universitário da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) aprovou, na quinta-feira (23), a criação de novos cursos de Audiovisual (Bacharelado) e a institucionalização dos cursos de Educação do Campo (Licenciatura) e Licenciatura Intercultural Indígena. De acordo com as informações, a oferta de vagas e o ingresso estão previstos para o primeiro semestre de 2019 e a seleção, conforme as demais graduações regulares, deve ser feita por meio do SiSU, Passe e Vestibular.

Para o curso de Audiovisual (Bacharelado) são previstas 30 vagas. O turno será integral com aulas presenciais e finalização em, no mínimo, oito semestres letivos. A nova graduação foi proposta pela Faculdade de Artes, Letras e Comunicação (Faalc).

Segundo a Chefe da Coordenadoria de Desenvolvimento e Avaliação de Ensino da Pró-reitoria de Graduação (Prograd), professora Heloisa Laura da Costa, depois da aprovação do Coun, são realizados encaminhamentos para o Ministério da Educação, que verifica toda a documentação apresentada, a justificativa de relevância da graduação para a região, os estudos de viabilidade e de demanda por recursos materiais e humanos, entre outras questões. “Em um processo concomitante, na UFMS, a comissão responsável pela proposição da graduação, que foi instituída pela própria unidade proponente, submete à Prograd o projeto pedagógico, para que sejam feitas a verificação e os ajustes necessários à conformidade com as legislações internas e externas. Após sua aprovação pela Prograd o curso estará apto para ser iniciado”, explica.

Para o curso de Educação do Campo (Licenciatura) estão previstas 30 vagas. O turno deve ser integral, com aulas nos períodos matutino e vespertino. A previsão é de que os graduados obtenham em oito semestres de atividades uma das duas habilitações: Matemática e Linguagens e Códigos. O curso continuará a ser desenvolvido na Faculdade de Educação (Faed) e deve manter sua característica presencial na pedagogia de alternância entre Tempo Universidade e Tempo Comunidade. Manterá ainda, como característica, o atendimento às populações do campo, com a perspectiva de continuar a exigência de comprovante de pertencimento ao campo e da disponibilidade para participação em visitas de estudo. A infraestrutura e o corpo docente serão os já existentes para o curso na UFMS.

Para a Licenciatura Intercultural Indígena estão previstas 25 vagas. O turno também deve ser integral, com aulas presenciais nos períodos matutino e vespertino, em pedagogia de alternância entre Tempo Universidade e Tempo Comunidade. A previsão é de que os graduados obtenham, nos oito semestres de atividades, a habilitação em Linguagens para o Ensino Fundamental e Médio. O curso continuará a ser desenvolvido no Câmpus de Aquidauana, com a infraestrutura e os professores já contratados anteriormente por meio do programa e de convênios com estado e município. Deve manter também, como característica, o atendimento às populações indígenas, com previsão da exigência de comprovante de pertencimento a comunidade indígena.

Dentre os benefícios em institucionalizar as graduações estão uma maior garantia de sua continuidade e o acesso que os acadêmicos passam a ter aos auxílios ofertados pela Instituição. Depois da aprovação do Coun, os procedimentos para institucionalização seguem concomitantemente aos encaminhamentos junto ao Mec e aprovação do projeto pedagógico na UFMS.

Engenharias

O Coun aprovou também, em reunião do dia 4 de julho de 2018, a criação dos cursos de Engenharia de Alimentos (Bacharelado), Engenharia Física (Bacharelado) e Engenharia Química (Bacharelado).

A criação Engenharia de Alimentos (Bacharelado) foi proposta pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan) e a previsão é de que sejam ofertadas 40 vagas para o primeiro semestre de 2019. O turno deve ser integral, com aulas presenciais, e finalização em, no mínimo, dez semestres letivos.

A criação de Engenharia Física (Bacharelado) foi proposta pelo Instituto de Física (Infi) com previsão de oferta de 30 vagas para o primeiro semestre de 2019. O turno deve ser integral com aulas presenciais e finalização em, no mínimo, dez semestres letivos.

A criação de Engenharia Química (Bacharelado) foi proposta pelo Instituto de Química (Inqui) com previsão de oferta de 35 vagas para o primeiro semestre de 2019. O turno deve ser integral com aulas presenciais e finalização em, no mínimo, dez semestres letivos.

Os novos cursos devem ser iniciados e desenvolvidos com o compartilhamento de disciplinas, docentes, equipamentos e espaços das graduações já existentes nas unidades. As graduações de Audiovisual, Engenharia de Alimentos e Engenharia Física devem contar ainda com novos docentes, contratados por meio do concurso que está em andamento.

Institucionalização

Os cursos de Educação do Campo e Licenciatura Intercultural Indígena foram anteriormente ofertados pela UFMS por meio de programas governamentais específicos: o Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo (Procampo), em consonância com o Programa Nacional de Educação do Campo (Pronacampo), e o Programa de Apoio à Formação Superior e Licenciaturas Interculturais Indígenas (Prolind), respectivamente. Com a integralização das atividades pelas últimas turmas de alunos, prevista para o final deste segundo semestre de 2018, a institucionalização será feita para que a oferta seja reiniciada conforme as demais graduações regulares, com previsão de ingresso também no primeiro semestre de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s