Prefeito Marquinhos, a Dengue é tragédia anunciada

Quando o então prefeito Nelsinho Trad esteve prefeito da Capital, houve uma das maiores epidemias de Dengue. Epidemias geram recursos estaduais e federais para os municípios, mas longe de se supor isso, afinal o administrador mor de Campo Grande é formado em medicina, deve, enfim, haver juramentado por Hipócrates. Mas aconteceu.

A proliferação do mosquito Aedes Aegypti é cíclica, até a população sabe. Choveu, eles estão por ai, afinal a larva ou ovo fica inativa por muito tempo, até a primeira chuva ou, apenas estar molhada.

É tão obvio evitar a epidemia, como foi feita em outras épocas, com administradores de saúde e prefeitos sérios: durante a estiagem, executa-se um trabalho de limpeza. Treinam-se as equipes de saúde e lhes dão dignidade e incentivo profissional e financeiro (porque enfrentam adversidades e agressividade da população) para que, além de verificar com precisão os prováveis focos, sejam domésticos ou outros, orientem e eduquem a população nos cuidados necessários e nos riscos causados pelo mosquito. Dengue, Chikungunya e Zika.

Mas a administração pífia, como a anterior do senhor prefeito eleito pelo esquecimento ou pelo enaltecimento de um nome daqueles que pouco ou nada fizeram pelo povo, senão por si mesmos, hoje senador Nelsinho Trad, suspeito, investigado e réu em diversas instâncias – e que graças aos vossos votos passa a ter foro privilegiado – foi corresponsável pela anterior epidemia.

Seu irmão, com menor capacidade administrativa, causou o mesmo caos e é, sim, o maior responsável, pois bancou um secretário de saúde inconsequente, pra dizer o mínimo.

A Dengue, ou o mosquito vetor, não é o pior caos. A inoperância irá matar. Não fez o dever de casa ao determinar o controle dos focos durante a estiagem – água em vasinho de planta se coloca durante todo o ano. Agora corre atrás. Corre atrás de autorização para entrar em imóveis fechados, corre atrás de ações “curativas” para o controle, quando deveria ter determinado ações “preventivas”.

Mas tudo pode piorar, pois as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) não têm estrutura para suportar os atendimentos emergenciais e de tratamento. A quem caberá cada morte? Ao descuido da população? Pode ser.

A população não orientada tende a isso: deseducar-se quanto à sua própria segurança e eleger pessoas impróprias ou despreparadas, para dizer o mínimo.

Essa tragédia não é apenas isso, é mais, é pior, é mortal, mas era previsível e evitável. Chega a estarrecer o prefeito fazendo chamadas de fichas para atendimento, utilizando tudo o que é de sua competência, palanque, mídia e propaganda. O culpado será sempre o mosquito transmissor, os servidores, ou a população. Será que entre tudo o que fez em termos de campanha e o nada que fez enquanto gestor restará a dignidade (senhor prefeito e secretário de saúde, busquem a definição nos dicionários, uma vez que parecem não possuir em sua formação)?

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s